Vistoria de imóvel: 6 dicas para evitar problemas com o imóvel

Alugar um imóvel nem sempre é uma tarefa fácil. Procurar e encontrar o imóvel ideal, lidar com as burocracias da assinatura do contrato e optar pela melhor forma de fiança são algumas das questões que quem quer alugar uma casa ou apartamento precisa fazer até conseguir pegar as chaves e ocupar o imóvel. No entanto, uma vez que tudo isso foi resolvido, há um último que detalhe que inquilino e proprietário devem estar atentos: a vistoria de imóvel.

Nos contratos de aluguel, há um laudo de vistoria de entrada do imóvel e outro de saída. Esse documento serve para que as partes estejam de acordo em relação ao estado do imóvel antes da entrega das chaves ao locatário.

A situação das instalações, da estrutura, da pintura e de qualquer outro detalhe devem estar bem claros e especificados no laudo de vistoria de imóvel. Assim, fica documentado quais são os problemas do imóvel antes do locatário ocupá-lo.

Ao final do contrato, quando o imóvel é desocupado e entregue à imobiliária, realiza-se a vistoria final. Esse documento é comparado com o laudo realizado no início da locação e o locatário deve arcar com os custos dos danos causados em decorrência do seu uso.

Para evitar ou diminuir ao máximo esses custos ao fim do contrato, é importante que o locatário esteja sempre atento às manutenções necessárias para a conservação do imóvel durante todo seu período de moradia.

Para ajudá-lo nessa tarefa, separamos algumas dicas para você.

6 dicas de vistoria de imóvel e manutenção

1 – Leia com atenção a vistoria de entrada

É de extrema importância que o locatário leia o laudo vistoria de entrada, que ele recebe ao entrar no imóvel. Ele deve ficar muito atento a toda e qualquer divergência existente, afinal, algum detalhe pode passar despercebido pelo vistoriador!

As imobiliárias normalmente colocam um prazo para a pessoa contestar a vistoria do imóvel. Notificar a imobiliária e acrescentar informações que não constam no laudo, como pequenos defeitos, é uma atitude importante.

Assim, essas obrigações não recaem sobre o locatário ao fim do contrato, responsável pela preservação do imóvel, mesmo que ele não tenha causado um eventual dano.

2 – Tire fotos do imóvel

É recomendado que o inquilino faça fotografias do imóvel e tenha esses registros guardados, ainda que a imobiliária também tenha tirado.

Principalmente no caso de divergências com o laudo. Nesse caso, o inquilino deve encaminhá-las à imobiliária, que pode adicioná-las na lista, ou até mesmo solicitar nova visita do vistoriador.

4 – Cuidado com a limpeza

Todo mundo quer manter seu lar limpo e agradável. No entanto, é preciso tomar cuidado no momento da faxina, já que produtos de limpeza podem danificar algumas peças do imóvel, o que pode gerar custos para o inquilino.

Outro item importante é providenciar a limpeza periódica das calhas. Se elas entupirem, podem ocasionar infiltrações e danos maiores ao imóvel.

5 – Não demore para consertar os danos

Embora se tome precauções para evitar que qualquer dano aconteça, o próprio uso e manutenção cotidianos da casa ou do apartamento podem gerar algum problema que necessite de reparo. Muitas vezes é inevitável.

Entretanto, é possível evitar que o problema se agrave, basta consertar os danos assim que eles ocorrerem.

Fazendo isso no momento em que acontece o problema, além de evitar um gasto maior no futuro, faz com que o morador usufrua o máximo possível do imóvel sem problemas e no seu melhor estado de conservação.

6 – Utilize o setor de manutenção da imobiliária

Boas imobiliárias oferecem serviços de intermediação com profissionais de manutenção básica. Isso pode ser bastante útil, principalmente para estudantes universitários que não são da cidade.

Esse serviço conta com profissionais qualificados e com preço justo. Entupimento de calha, vazamentos, problemas elétricos e pintura são alguns dos problemas de manutenção que costumam ter serviços de reparo oferecidos.

7 – Nem todos os problemas são de sua responsabilidade

Problemas estruturais do imóvel que não foram causados pelo uso são de responsabilidade do proprietário.

Por outro lado, outros problemas, de uso e manutenção, são de responsabilidade de quem está ocupando o imóvel.

Assim, o locatário não deve realizar obras que interfiram na estrutura do imóvel sem o consentimento do proprietário e o acompanhamento da imobiliária.

O locatário deve sempre acionar o setor de manutenção da imobiliária, que está apto a diferenciar responsabilidades quanto aos custos dos reparos.

Como você pode ver, a vistoria de imóvel não é algo complexo. Mas requer muita atenção aos detalhes para que você não seja prejudicado, ou que o próprio imóvel esteja na melhor condição, seja quando você entrar ou quando sair dele.

Quer receber mais dicas para seu imóvel? Assine nossa newsletter! Assim, você recebe novidades de manutenção, investimentos, localizações e até decoração!

 1,995 total views,  1 views today

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.